Pedimos orações a irmã Ana Spina - Veja a trajetória da Nossa Irmã!


 
No momento não está passando Bem! Pedindo as orações de todos!

História (Até 2015)
Ana Spina nasceu nesta Graça, no mês de janeiro completa 75 anos que obedeceu a Deus nas águas do batismo.
O Senhor tem a abençoado todos os dias da sua vida, quando era pequena teve várias enfermidades graves, mas o Senhor foi aquele que a libertou, o Senhor tem dado saúde, embora está com diabetes e tem as pernas um pouco enfraquecidas por alguns tombos que ela levou, teve que fazer cirurgia, mas o Senhor tem dado força a sua serva de não precisar parar de servi-lo na parte musical.
No dia da sua mocidade preparou um dos seus filhos para seu esposo ( o nosso saudoso irmão Davi Finotti, ancião do Bom Retiro) e estiveram unidos com bastante carinho em paz por 50 anos e meio, ela ficou muito abalada, porquanto eles viajavam juntos, ela servia a Deus na parte da musica e ele no seu ministério, a vida deles era em conjunto e muito feliz, fizeram muitas viagens, não só no Brasil, como no exterior também.
Ela agradece a Deus porque desde o ano de 1948, ela serve a Deus na parte musical, neste ano ela foi convidada para participar do grupo para trabalhar no hinário número 3, porque naquele tempo, se cantava o hinário número 2 e este hinário tinha sido escrito por um grupo de irmãos, mas eles não conheciam nada de música, então aquele hinário tinha muito defeito.
Naquele tempo o irmão Luiz Francescon esteve aqui no ano de 1948 e foi ele que a convidou para participar desse grupo ( digam se ela não é maravilhosa ser convidada por Luis Francescon) e ele foi embora para EUA e ela se comunicava com ele através de cartas a respeito das reuniões que o grupo fazia e ele a respondia todas.
O grupo mudou algumas palavras dos hinos porque o hinário número 2 tinha realmente muitos defeitos, em uma dessas cartas que ela escreveu para o servo de Deus, ele respondeu: "vocês estão mudando muitos as palavras do hinário, vocês esquecem que no nosso meio existem muitos analfabetos e muitos cegos (veja que pensamento inclusivo ele tinha) e eles vão ter muita dificuldade para aprender o hinário novo".
Aquela carta deixou o grupo muito triste, porque o grupo estava melhorando a forma de cantar, mas eles procuraram obedecer e mudar menos palavras e assim foi feito o hinário número 3, ficamos com este hinário um bom tempo. Houve a necessidade de elaborar o hinário número 4, que ficou mais aperfeiçoado, porque reunindo os irmão da comissão, nós falamos: nós temos muitos analfabetos no nosso meio, mas também temos muitos professores, temos irmãos que cursam a universidade e conhecem bem língua portuguesa, não é certo por causa dos analfabetos nós vamos ficar com o hinário que contém muitos erros.
O hinário número 4 estamos cantando ele até hoje, há quase 50 anos, ela pensou que não haveria o número 5, muitas vezes ela dizia: não irmãos número 5 não vai ter, porque eu já estou com mais de 80 anos, eu não tenho mais aquele vigor, aquela disposição de trabalhar no hinário, mas o Senhor preparou um bom número de irmãos que trabalharam e ela supervisionou o trabalho deles, o hinário número 5 está pronto, deu bastante trabalho, mas o Senhor os abençoou.
Muitas viagens ela fez no trabalho do hinário número 4, foi para a Argentina, para a França, e quando ela foi para a Argentina levar o hinário número 4 em castelhano, porque naquele tempo tinha pouca irmandade, um pouquinho na Argentina, uma família no Uruguai e uma família na Espanha. Quando ela chegou na Argentina, ela teve a oportunidade de ouvir um irmão testemunhar e dizer: irmãos eu agradeço a Deus porque o Senhor preparou para nós o hinário da Congregação Cristã na Argentina, porque até agora nós cantávamos o mesmo hinário que as outras igrejas usam, meus amigos diziam: está vendo vocês não tem diferença de nós nenhuma, vocês leem a mesma bíblia e cantam os mesmo hinário e aquele irmão agradecia a Deus pela vitória que Deus tinha dado de ter o seu próprio hinário.
Na França o Senhor preparou de uma maneira maravilhosa, duas irmãs aqui de SP, elas falam muito bem o francês e começaram a fazer a tradução do hinário, mas na França não tinha nenhum crente, mas elas disseram: vamos fazer o hinário por fé, enquanto elas faziam o hinário começou o Senhor chamar as almas na França, mas não franceses, mas portugueses que mudaram para a França devido a crise financeira que tinha se instalado em Portugal.
Muitas famílias de portugueses mudaram para a França e os franceses apreciam muito o trabalho dos portugueses, assim começou a obra na França, uma família em uma cidade, outra família em outra cidade, assim foi formando a irmandade da França, só que ninguém falava francês eles faziam os cultos em português e muitas vezes passavam franceses e ouvia os hinos e já tinham músicos e os franceses diziam: pena que nós não entendemos nada, mas o Senhor preparou que aquelas crianças entraram nas escolas, aqueles moços foram para as faculdades e hoje na França temos uma irmandade pequena, os cultos agora são feitos em francês. Ela esteve duas vezes na França para realizar os ensaios na língua francesa, o hinário número 5 por enquanto só fizeram a tradução mas ainda não vai valer por enquanto naquele pais.
Quando ela chamou o hino 395 - Eis Me aqui”, dirá o Criador (que é hino novo) ela disse que esse hino tem uma história, quando ela estava fazendo o hinário número 3 e ela tinha uma amiga (que hoje já está com 90 anos) a nossa irmã Dinah que é filha do irmão João Claro (um dos primeiros anciães) e a família dessa irmã era da igreja batista e ela gostava muito da melodia desse hino e ela pediu a nossa irmã Anna para colocar esse hino no hinário 3, nossa irmã tentou colocar nos hinários 3 e 4 e não conseguiu.
Mas a nossa irmã Ana sempre pensava neste hino e agora no hinário número 5 ela conseguiu colocar e nossa irmã Anna telefonando para a nossa irmã Dinah disse:
- você não sabe o que aconteceu, lembra daquele hino que você gostava e pediu para entrar no hinário número 3 e ela disse:
- lembro sim
e nossa irmã Anna responde:
- agora ele entrou no hinário 5, ela ficou muito contente porque agora a nossa irmã Dinah poderá cantar o hino que cantava na sua juventude. (imaginem essas duas conversando sobre a obra de Deus no passado devem ter cada recordação)
O irmão encarregado pediu que nossa irmã Anna desse algum conselho para as organistas e ela apenas disse: estudem, porque estudando as irmãs conseguem tocar direitinho. Ela nos contou também que sua irmã carnal mora nos EUA e veio passar alguns dias em sua casa e lá as irmãs só tocam em teclado. A irmã Anna deu uma tarefa a ela de tocar todos os hinos no órgão e marcar o que o grau de dificuldade de cada hino, alguns ela colocou fácil, outros mais ou menos, outros difíceis e outros ela disse: porque vocês complicaram tanto? Então irmãs organistas estudando dá para vocês tocarem, tem que estudar, quem não estudar não consegue tocar.
Bom, vou tentar resumir sobre a família Spina. Esta família se mistura com o início da CCB:
O irmão Louis Francescon era Italiano. Quando veio em São Paulo, testemunhou um Italiano por nome Gregório Spina.
Ele e sua esposa moravam no Bom Retiro (na rua da Graça). Fizeram da casa deles a primeira sala de oração da CCB aqui em São Paulo.
Este casal, tiveram alguns filhos:
Miguel Spina, Nicolino Spina, Francisco Spina, Paschoal Spina, Isaías Spina e Rosa Spina.
Nicolino gerou a Anna Spina. Anna casou-se com David Finotti, que era filho do primórdio ancião João Finotti.
Rosa casou-se com Miguel Oliva (este foi o primeiro encarregado de orquestra da ccb).
Este casal gerou Gerbes, Venusta e Eleazar (ancião na Vila Sônia).
Resumindo: Anna Spina é sobrinha do Miguel Spina. Como o pai (Nicolino Spina) era irmão da Rosa Spina, então o irmão Gerbes é primo da Anna Spina.
A irmã Venusta casou-se com o irmão Jorge Couri, então o irmão Jorge Couri é cunhado do Gerbes Oliva...
TAG